top of page

A luta de classes na luta de libertação do povo indonésio

por Hendricus Sneevliet, 1926




A luta de classes na luta de libertação do povo indonésio

por Hendricus Sneevliet, 1926


Os movimentos revolucionários em vários países coloniais e semicoloniais, surgiram com diferentes formatos, mas todos tinham um caráter profundamente anti-imperialista, e chamaram a atenção de todo o mundo.


Do Marrocos à Coréia, tornaram-se conhecidos em maior ou menor grau e são de grande preocupação para os governos capitalistas, que se deram conta de que o desenvolvimento capitalista nesses países com grandes áreas territoriais, e muitas vezes densamente povoados, é de suma importância para a manutenção desse sistema.


Como o imperialismo mundial se desenvolveu ainda mais nestas áreas, as massas de trabalhadores e camponeses atingidos pela penetração capitalista desempenham um papel maior. Durante muito tempo o movimento nacionalista revolucionário na China teve um caráter principalmente militar, como a revolta dos habitantes do Riff [2], que na época sob Abd-el-Krim, se manifesta principalmente como resistência militar. Como na China o sistema capitalista penetrou mais profundamente, desenvolvendo assim uma indústria significativa em várias áreas neste grande país, os proletários das áreas industriais cresceram em importância na luta contra o imperialismo de vários países. Na Indonésia, um imenso movimento camponês e operário se desenvolveu mesmo antes da Guerra Mundial.


A ascensão da grande organização Sarekat Islam [3] remonta já em 1912. Um movimento puramente nacionalista, composto principalmente de intelectuais, precedeu este movimento. Na Indonésia, a derrota dos russos na guerra contra o Japão também teve um efeito nacionalista. Este nacionalismo levou ao estabelecimento da primeira organização política nativa, Boedi Oetomo [4], que inicialmente tinha um caráter radical e se pronunciou a favor da independência indonésia. Entretanto, não foi difícil para o governo colonial, e os moralistas coloniais, exercerem uma influência moderadora sobre esta organização, que desistiu de seu caráter político e que começou a se engajar principalmente em assuntos educacionais. Em vão, alguns revolucionários tentaram contrariar este declínio e acabaram cedendo ao apelo do dever dos líderes da associação indo-europeia Insulinde [5], com os quais iniciaram uma nova forma de propaganda nacionalista em prol da completa independência da Indonésia.


Esta propaganda, realizada em Java, sem dúvida teve um impacto, e o partido indiano em desenvolvimento, sob a liderança de Douwes Dekker e Tjipto Mangoenkoesomo, obrigou o governo geral de Idenburg a tomar a decisão de proibir este partido.


Sua propaganda, entretanto, não conseguiu encontrar eco entre os trabalhadores e camponeses, sendo completamente ignorada pelas massas.


O desenvolvimento do capitalismo na Indonésia


A principal razão para o desenvolvimento massivo do movimento islâmico Serakat em 1912 está, naturalmente, no rápido desenvolvimento do modo de produção capitalista na Indonésia.


Desde 1870, o sistema de cultivo havia sido abolido definitivamente e a nova lei agrícola abriu o caminho para o desenvolvimento capitalista.


Os princípios desta lei eram:


  1. Nenhuma interferência na propriedade rural dos indonésios;

  2. Proteção da propriedade de terras contra grupos populacionais economicamente mais fortes;

  3. Promoção da grande indústria agrícola.


Enquanto na prática, com a introdução desta lei agrícola, este último princípio foi decisivo, os indonésios experimentaram por si mesmos todas as desvantagens de um capitalismo em rápido desenvolvimento. Pedaços de terra não utilizados foram arrendados em grande escala, de modo que só em Java mais de 500.000 hectares, e na propriedade externa [isto é, nas outras ilhas da Indonésia] 900.000 hectares, foram utilizados para acomodar a agricultura capitalista de grande escala, as plantações. A isto deve ser acrescentado o aluguel da terra para a próspera indústria açucareira. Esta última não poderia sobreviver apenas por ter à sua disposição terras não utilizadas. Precisava de campos férteis, utilizados pelos agricultores javaneses para cultivar arroz. Estabeleceu-se em mais de 12 províncias de Java e tem mais de 158.000 hectares de terras férteis à sua disposição, adquiridas por meio de arrendamento. Ao formalizar estes arrendamentos, a igualdade entre as duas partes foi assumida. Na prática, a introdução da lei agrícola de 1870 produziu um rápido desenvolvimento das culturas cultivadas, apoiado pela produção de petróleo e a mineração de minerais que acelerou o desenvolvimento capitalista.


É útil analisar mais de perto a velocidade deste desenvolvimento através de alguns números. O valor total das importações para a Indonésia, que em 1906 totalizava 234 milhões de florins, subiu para 1.310 milhões em 1920. As exportações no mesmo período subiram de 330 para 2.268 milhões. Os nove maiores bancos da Indonésia trabalharam com um capital de 189.660.000 florins em 1897, e tinham 828.339.000 florins à sua disposição em 1921. A produção de açúcar cresceu nos últimos anos para mais de 1.800.000 barris de 1000 quilos cada um. O valor da exportação do tabaco: 91 milhões de florins em 1921. A exportação do copra (polpa seca do coco) naquele mesmo ano 87 milhões de florins, óleo produzido na Indonésia: 12 milhões de florins; exportação de café em 1921: 27 milhões de florins; a exportação de kina: 26 milhões de florins.


O desenvolvimento da indústria petrolífera, por si só, forneceria material suficiente para escrever um artigo sobre o assunto. Através da forte concentração da produção, que em 1901 era de 433.000 toneladas, um aumento para 2.382.000 toneladas foi alcançado em 1923. A produção de estanho era de 26.500 toneladas em 1921 com um valor total de 39 milhões de florins. A produção de carvão subiu de 202.720 toneladas em 1900 para uma impressionante 1.054.000 toneladas em 1922. De fato, a Indonésia é um país rico. E há grandes possibilidades de desenvolvimento futuro. No escritório do governo que se ocupa de energia hidrelétrica, foram registrados os seguintes números:


  • Para Java 500.000 HP (cavalos de potência).

  • Para Sumatra 1.600.000 HP

  • Para Celebes 500.000 HP

  • Para Bornéu 400.000 HP


Do ponto de vista empresarial, o conselho de trabalhadores fez um cálculo do lucro tributável dos empreendimentos capitalistas na Indonésia. É evidente (e o próprio comitê de trabalhadores reconheceu isto) que neste cálculo os números são mantidos no limite inferior.


Empresas que tinham um capital de giro de menos de 10.000 florins foram excluídas do cálculo; o crescimento das empresas após 1920 não foi levado em conta; o grande significado do mesmo para o cultivo de borracha, palmeiras e plantas de fibras são indicados pelo conselho de trabalhadores.


Além disso, eles excluíram "todas as empresas de origem não holandesa/indiana (por exemplo, britânicas, japonesas, americanas) que estão administrando um negócio fora do setor bancário e agrícola". Por este motivo, o próprio conselho de empresa eleva o valor calculado de 390.000.000 de lucros tributáveis até 450.000.000; o professor Treub, ligado ao conselho de empresa, até mencionou o valor de 550.000.000 na imprensa diária. Mesmo em órgãos capitalistas na Holanda, são dados números que são 100% superiores. Queremos mostrar com isto que ocorreu um importante desenvolvimento da produção capitalista, cuja natureza teve um impacto profundo na sociedade nativa.


Os efeitos do capitalismo


Quando os métodos modernos de produção ainda estavam no início, vários fatores civis na Indonésia já indicavam o resultado desastroso deste desenvolvimento para a sociedade nativa. O ex-membro do Conselho da Índia, A. Pruijs v.d. Hoeven, em 1894, escreveu em seu livro “40 anos de serviço indiano”:


"O Javanês permaneceu em estado de tutela por tanto tempo que não está acostumado a ser forte em uma luta, que certamente virá, e que em seu próprio país ele sempre tem que ser o servo ou a presa de alguém. Fora da aristocracia e de alguns oficiais nacionais, só se encontra uma classe, vivendo em condições muito ruins. Uma classe média trabalhadora ainda não foi capaz de se formar. Por outro lado, o proletariado se desenvolveu nos últimos anos, enquanto nos primeiros tempos só se conseguia encontrá-los nas principais cidades. O fazendeiro, o gogol, o núcleo duro do povo, veem seus bens serem cobrados pelos serviços mais pesados, etc."

Sete anos depois, P. Brooshoofd escreveu em seu "Curso de Ética":


"O que fazemos para os nativos? A resposta é curta e direta: nós o empurramos para o abismo. Afundamo-lo no mesmo lago de miséria, no qual na sociedade ocidental milhões permanecem até o pescoço: exploração pelo dono do capital e, portanto, o poder do homem, que não tem nada além de seu próprio trabalho."

Onze anos depois, em 1912, o conhecido senhor van Deventer voltou à Indonésia, após uma longa ausência. Ele declarou que o povo javanês ainda vivia nas mesmas circunstâncias difíceis que quando ele partiu em 1897. Capitalismo próspero na Indonésia, empobrecimento do camponês em grande escala. Houve repetidas comissões que estudaram a "prosperidade" da população nativa; seus resultados foram sempre esmagadores. Expansão do proletariado, que fornece sua força de trabalho sob as piores condições imagináveis. A próspera indústria do tabaco de Delhi até hoje ainda trabalha com escravos contratuais, condenados sob sanções penais [6].


E apesar do rápido crescimento do capitalismo, nenhuma classe média nativa - como Pruys v.d. Hoeven a chamou - se desenvolveu. Os visionários entre os elementos europeus mostram grande preocupação com este fenômeno. No relatório provisório do orçamento colonial para 1926 há uma referência a uma declaração do presidente do Banco Javanês, que vem de um relatório relativo a 1924/25. Esta declaração é a seguinte:


"Do interior em geral e da população, se eu não me iludir totalmente, os líderes econômicos devem vir eventualmente. E a questão é, o que não pode ser respondido neste relatório, é claro, se na área aqui pretendida não há lugar para um envolvimento maior e mais poderoso do governo neste assunto, do que existe agora, e se não entre o progresso nesta área e as áreas restantes, onde o desenvolvimento da população é perseguido, contém uma certa desproporção, que ameaça o progresso e a paz em nossa sociedade."

Em um artigo recentemente publicado pelo Dr. D. J. Hulshoff Pol Sr., que tenta identificar esses perigos e tenta encontrar soluções, encontra um reconhecimento indireto da falta de uma classe na Indonésia, que se beneficia diretamente do próspero desenvolvimento capitalista. Quem quiser alcançar o "eu manterei", aproveitando a velha nobreza da Indonésia de um modo diferente do que está acontecendo no atual governo, e quem quiser restaurar o velho brilho da nobreza e governar através dos sultões, é suficientemente moderno para dar conselhos práticos às autoridades para interessar diretamente estes em empreendimentos capitalistas.


A este respeito, não precisamos entrar aqui em detalhes para provar que, apesar da riqueza da Indonésia, os interesses do povo são negligenciados em todas as áreas. O rápido desenvolvimento do capitalismo deu origem a um amplo movimento do povo, que se originou como Sarekat Islam na maior parte de Java, em 1912. Qual era a natureza deste movimento? Apesar de seu nome, ele não é um movimento essencialmente religioso.


Os homens do front, os propagandistas deste movimento, provaram que vários fatores determinaram as atividades deste movimento popular. Lembramos que encontramos o líder do conselho, Raden Mas Tjokroaminoto pela primeira vez em sua casa, enquanto ele estudava o Pr. Quack 's Persons and Systems, aparentemente procurando uma base teórica e um programa prático para o movimento.


Isto provou que estávamos às vésperas de um despertar da classe trabalhadora javanesa. Esse despertar foi tão grande que a pequena comunidade europeia na Indonésia estava cheia de medo e exigia medidas mais severas de violência. Mas dentro da comunidade europeia, foram feitas avaliações claras que reconheceram o significado político e econômico deste movimento. Foi o [oficial do governo] residente de Rembang, Gonggrijp, que foi o primeiro a comparar o movimento islâmico Serakat com o movimento trabalhista inglês no início do século anterior. A atividade do Islã Sarekat parecia ser tanto nacionalista quanto religiosa, mas acima de tudo era política e econômica: as massas de camponeses pobres e os proletários das cidades tinham começado a resistir à sua exploração.


A influência socialista no movimento islâmico Sarekat


O Governo Geral de Idenburg entendeu muito bem que não podia lidar com o Islã Sarekat da mesma forma que com o partido indiano existente [7], constituído principalmente por indo-europeus. Ele não gostava de brincar com o fogo. Ele pertencia aos componentes éticos coloniais, em cujas fileiras podemos encontrar protestantes, católicos, liberais e social-democratas. Sua estratégia política tinha como objetivo controlar o Islã Sarekat, tentando persuadi-los a usar uma ação moderada e diminuir a ação direta que acontecia quase todos os dias, tanto nas regiões açucareiras como nas cidades.


Ele tentou alcançar o mesmo sucesso que havia acontecido em dias anteriores com Boedi Oetomo. Um grupo de socialistas europeus de várias origens, que se apresentaram em 1914 como uma associação social-democrática indiana, e ao qual alguns javaneses aderiram, enfrentou em primeiro lugar a questão: Para usar propaganda ou não? Para operar como um grupo de estudo ou como um movimento político? Eles optaram por agir como um partido político. Por um lado, eles se mantiveram ocupados organizando os sindicatos com o objetivo de trazer os elementos proletários para seu movimento. Por outro lado, eles tentaram estabelecer relações amigáveis com o Islã Sarekat e os restos mortais do partido indiano perseguido. Com sua luta pela liberdade de expressão dos jornalistas nativos, eles tentaram ganhar a confiança do movimento do povo indonésio. Desta forma, tentaram reduzir a zero a influência da propaganda governamental entre os líderes do Islã Sarekat. Não foi possível chegar a uma relação de cooperação permanente com os remanescentes do partido indiano, de forma desigual. Eles ainda viam um perigo na propaganda socialista e no avanço das ideias de luta de classes.


Contra o internacionalismo dos socialistas eles colocaram seu nacionalismo, embora os socialistas da I.S.D.V. [8] tenham declarado explicitamente em seu programa do partido que a independência da Indonésia tinha que ser considerada como um dos principais objetivos de sua ação. Dois fatores contribuíram para que, apesar de seu caráter inicial europeu, a I.S.D.V. conseguisse trazer tendências anticapitalistas e socialistas para o trabalho do Islã Sarekat.


A luta de classes na Indonésia é a luta contra o capitalismo estrangeiro, pois não há burguesia indonésia. É uma luta contra o capitalismo holandês e outro capitalismo estrangeiro. Ao mesmo tempo, é uma luta contra um governo estrangeiro que atua claramente como um agente de interesses capitalistas. Em questões práticas da luta de classes (por exemplo, a controversa campanha contra o Indië Weerbaar [9]), a I.S.D.V. se posicionou muito claramente a favor dos interesses do povo indonésio.


E embora o governo tivesse conseguido - com a colaboração de vários membros coloniais - trazer uma grande parte dos líderes do Islã Serakat para apoiar o movimento Indië Weerbaar, os primeiros sinais de uma esquerda forte foram visíveis dentro do Islã Serakat, guiados por elementos que vieram tanto do I.S.D.V. quanto dos sindicatos. Como a propaganda nacionalista do partido indiano (após sua dissolução, reformou-se como a associação Insulinde) passou por cima das cabeças das massas, a I.S.D.V. ocupou-se de todas as questões práticas importantes, o que tornou possível influenciar o movimento do Islã Serakat com ideias mais revolucionárias.


Naturalmente, nos escritos da 2ª Internacional muito pouco foi encontrado que tornasse mais fácil elaborar estratégias. No entanto, havia indicações disponíveis, tanto nas obras de Kautsky quanto nas de Radek e Rosa Luxemburgo, que forneceram à maioria dos argumentos da I.S.D.V. para rejeitar toda tentativa do lado reformista de transformar a I.S.D.V. em nada mais do que um grupo de estudos.


Contra todos os ataques dos reformistas, que se opunham à propaganda direta malaia, com a ajuda de indivíduos javaneses que haviam aderido à I.S.D.V., cada vez mais atenção era dedicada a esta propaganda, tanto na propaganda política como no trabalho dos sindicatos.


Influência da Revolução Russa e da 3ª Internacional


A Indonésia está muito longe da Rússia. Especialmente em tempo de guerra, as informações sobre o desenvolvimento da Revolução Russa de fevereiro a outubro de 1917 eram muito pobres. Logo após fevereiro, a Revolução Russa foi, contudo, uma parte importante da propaganda conduzida pela I.S.D.V. As autoridades coloniais contribuíram para a penetração desta propaganda entre as massas, e era inconfundível que dentro do Islã Sarekat a ala esquerda foi significativamente reforçada por esta propaganda.


No congresso realizado por este movimento em 1918, a ala esquerda parecia ter uma influência dominante. A situação geral na Indonésia era extraordinariamente desfavorável. Enormes dificuldades ocorreram no campo do abastecimento de alimentos. Ao mesmo tempo, o capitalismo colonial obteve enormes lucros.


A I.S.D.V. havia atraído a liderança do Islã Serakat para uma ação conjunta na qual ambos exigiam a redução das plantações de açúcar. No programa do Islã Sarekat, a luta contra o "capitalismo pecaminoso" foi indicada como um dos principais objetivos, e os princípios da luta de classes continuaram a espalhar sua influência no movimento do povo indonésio.


E depois de 1918, quando as maiores dificuldades foram superadas pelo governo e certas concessões foram feitas para atender às exigências dos proletários indonésios, surgiram dificuldades entre a ala esquerda do Islã Sarekat e a liderança do movimento, o que finalmente resultou na exclusão dos membros revolucionários no congresso de Madijoen de 1922; no entanto, os princípios da luta de classes penetraram profundamente no movimento do povo indonésio.


Em sua perseguição dos elementos revolucionários, o governo aplicou um sistema, que ainda hoje utiliza, que consiste em retirar os líderes dos movimentos revolucionários, para que com a retirada dos líderes pudesse facilmente conter o que restava daquele movimento. Mas isto não poderia impedir que a prática cotidiana do capitalismo mostrasse em termos realistas a necessidade da luta de classes para a maioria dos indonésios, também como resultado da propaganda realizada desde o estabelecimento da 3ª Internacional sob os trabalhadores e agricultores dos países coloniais e semicoloniais. Por estas razões, o movimento do povo indonésio não mudou seu rumo. É claro que existe uma forte interação entre os vários movimentos que são diferentes na forma, mas similares na essência, que se desenvolveram entre as pessoas de cor ao redor do mundo e que foram reunidos pela 3ª Internacional. No meio da Revolução Russa, os representantes dos movimentos revolucionários entraram em contato uns com os outros. Eles discutiram as experiências que haviam sido adquiridas. E a liderança da 3ª Internacional não retirou por um momento sua atenção na promoção desses movimentos revolucionários.


Pelo contrário, como ficou claro que a luta de classes do proletariado nos antigos países capitalistas só avançou em direção à revolução popular a um ritmo extremamente lento, os movimentos revolucionários nos países coloniais e semicoloniais vieram cada vez mais para o centro das atenções.


Estes movimentos também não se desenvolvem em linha reta. Enquanto há alguns anos, o movimento de massas na Índia britânica, sob a orientação do Mahatma Gandhi, ameaçou tornar-se um perigo direto para a dominação britânica, agora isso é completamente neutralizado pelos britânicos e o centro da luta nos países coloniais e semicoloniais agora se mudou para a China. Os líderes da 3ª Internacional compreendem a importância disso, como ficou claro na declaração de Zinoviev [10], em uma reação às grandes greves de meados do ano passado:


"No momento em que os trabalhadores chineses passam de exigências econômicas moderadas para o slogan 'abaixo com os imperialistas', eles se tornam o fator mais importante da revolução mundial do proletariado."

Diretrizes claras para os diferentes países coloniais vieram de Moscou, o que reduziu significativamente a chance de erros graves. Não há poder no mundo que possa impedir os movimentos coloniais usando informações dadas a partir do centro da revolução mundial. Sob a influência da 3ª Internacional, após o congresso de 1920, a I.S.D.V. se transformou em um Partido Comunista, que tanto em Java como nas propriedades externas [isto é, outras ilhas indonésias] se esforça para reforçar o movimento dos trabalhadores e agricultores como uma força consciente anti-imperialista. Este trabalho para o desenvolvimento do movimento sindical indonésio tem sido conduzido em toda a Indonésia. Os burocratas da I.V.V. serão sem dúvida capazes de encontrar algumas falhas válidas no funcionamento destas organizações.


Suas ações não impressionam o movimento popular nos países coloniais e semicoloniais. Seu reformismo não tem nenhum controle sobre as massas proletárias, que sentem a exploração dos capitalistas em seu pior momento. Que os elementos comunistas na Indonésia são ativos, na luta contra o capitalismo, é comprovado pelas muitas greves que foram realizadas em toda a Indonésia. E o fato de que estas greves causam uma impressão na comunidade europeia e dentro da Indonésia, é demonstrado pelas muitas acusações dos líderes do movimento grevista.


Além disso, o movimento comunista na Indonésia cumpre sua tarefa também nas dessas plantações de arroz, levando a população agrícola a resistir ao imperialismo e ao domínio colonial. Informações detalhadas sobre a propaganda entre os agricultores são supérfluas aqui pela simples razão de que a imprensa diária está constantemente publicando notícias sobre as atividades de nossos camaradas.


Temos apontado que a luta interior dentro do movimento islâmico Sarekat levou a uma cisão em 1922. A ala esquerda, que está sob controle comunista, fundou o movimento Sarekat Rajat, representando o perigo das duas partes do movimento do povo indonésio, cada uma desperdiçando suas energias. A 3ª Internacional apontou claramente que deve haver uma frente unida entre estas duas partes, que, socialmente falando, consistem nos mesmos elementos. São eventos estrangeiros que reforçam a restauração desta conexão. Estes exercem uma influência maior do que os conflitos individuais que se desenvolveram entre Sarekat Rajat e Sarekat Islam.


Os desenvolvimentos em outros países, como a China, Turquia e Marrocos, levam a liderança do Islã Sarekat a se declarar solidária com a resistência anti-imperialista que está ocorrendo nesses países.


Eles não veem nenhum valor na conquista de um status legal por parte do governo. O elemento revolucionário pode ser visto repetidamente em sua propaganda. E embora nessa mesma propaganda, segundo várias fontes, o elemento religioso tenha se tornado mais forte, estamos convencidos de que nossos companheiros indonésios conseguiram formar uma frente unida e restaurar a unidade no movimento popular. A colaboração da 3ª Internacional acelerou este processo, e com isso ganhará consideravelmente em força. Continuará a ser um movimento puramente anti-imperialista. Eles continuarão se concentrando na completa independência da Indonésia. Eles continuarão conduzindo a luta de classes contra o capitalismo na Indonésia, reforçando os sindicatos.


Eles manterão vínculos com movimentos similares em outras colônias, a despeito de todas as dificuldades.


Ele, o movimento do povo indonésio, continuará a desempenhar um papel importante nessa grande luta das massas dos países coloniais e semicoloniais, com os quais darão uma grande contribuição à revolução mundial do proletariado.


Referências


[1]De Klassenstrijd 1926, (p 17). Hendricus Josephus Franciscus Marie Sneevliet , conhecido como Henk Sneevliet ou pelo pseudônimo "Maring" (13 de maio de 1883 - 13 de abril de 1942), foi um político comunista holandês que atuou tanto na Holanda quanto nas Índias Orientais Holandesas . Como funcionário da Internacional Comunista , Sneevliet orientou a formação do Partido Comunista da Indonésia em 1914 e do Partido Comunista Chinês em 1921. Em seu país natal, ele foi o fundador, presidente e único representante do Socialista Revolucionário ( Partido dos Trabalhadores(RSP/RSAP). Ele participou da resistência comunista contra a ocupação da Holanda durante a Segunda Guerra Mundial pela Alemanha nazista , pela qual foi executado pelos alemães em abril de 1942.


[2] Sneevliet refere-se à insurreição do povo Riff (1921-1926) em Marrocos sob a orientação de Abd-el-Krim. Após a batalha de Anoual, os ocupantes das montanhas Riff esmagaram os espanhóis em 1921 e Abd-el-Krim não pôde mais voltar. Ele era visto como um gênio militar por seus compatriotas. Em 1923, proclamou a República Riff, e com isso romperam com o passado autocrático e feudal.

Abd-el-Krim aprendeu rapidamente o jogo da política e aproveitou os antagonismos entre os imperialistas.

O jovem partido comunista da França fez uma campanha por ele. Para esmagá-lo e a seus exércitos, foi necessária uma cooperação entre os exércitos espanhol e francês: sob a orientação do marechal Pétain, eles tiveram que implantar grandes recursos.

Após 21 anos de exílio, Abd-el-Krim conseguiu autorização para se estabelecer no Egito, onde morreu em 1962. Líderes revolucionários do mundo sempre o visitavam quando vinham ao Egito. Abd-el-Krim continuou a manter contato com o líder comunista, Ho Chi Minh.

Mao Zedong e Tito reconheceram que aprenderam muito com este líder marroquino.

Em 1971, Mao disse a uma delegação palestina do Fatah: “ Vocês vieram até mim para me ouvir falar sobre uma guerra popular de libertação, mas em sua própria história recente vocês possuem Abd-el-Krim. Ele é uma das fontes de inspiração mais importantes, das quais aprendi o que é exatamente a guerra de libertação popular .”


[3] O movimento Sarekat Islam foi fundado em 1911 por Hadji Omar Said Tjokroaminoto. O nome original era Sarekat Dagang Islam, que significa Organização Islâmica do Comércio. Originalmente, era uma organização de um grupo de comerciantes para proteger o comércio local contra importações chinesas baratas.

O movimento Sarekat Islam rapidamente se desenvolveu em uma organização política, que obteve muito apoio no interior de Java. O Islã não foi a única fonte de inspiração; o comunismo também era uma grande parte da ideologia do movimento.

Suas maiores contrapartes eram o Partai Kommunis Indonesia (de Sneevliet). No final, o movimento caiu sob a influência dos marxistas e a organização se dividiu em pequenas frações, como Muhammadyah e o movimento islâmico ortodoxo Nahdatul Ulama.


[4] Em 1908 foi fundada a organização de Boedi Oetomo (a bela luta). Em 1908, tinha quase 1200 membros. A maioria deles eram funcionários públicos e empresários de classe média. O objetivo da organização era organizar todos os habitantes nativos da Indonésia, e o desenvolvimento harmonioso do país. O governo holandês logo se interessou por esse movimento; pensava-se que, sem o líder certo, logo poderia se transformar em um movimento revolucionário. Assim, o governo holandês forneceu um líder: Raden Tirto Koesoemo. Eles esperavam que pudessem cooperar com ele. Mas o problema é que Boedi Oetomo não conseguiu muitos avanços.


[5] Continuação do Indische partij depois que este partido foi banido. Este movimento não foi tão radical quanto seu antecessor. Ver [7].


[6] Uma punição muito dura dada aos cules quando eles fugiram ou fizeram algo errado. Hoje chamaríamos isso de tortura, mas naquela época era uma parte 'normal' das leis holandesas-indonésias, chamada de 'koelieordonnatie' de 1880.

[7] Fundada em 1912 por Ernst Douwe Dekker (família do famoso escritor holandês Eduard Douwe Dekker, que escreveu 'Max Havelaar' sob o pseudônimo de Multatuli) e Tjipto Mangoenkoesoemo e Ki Hadjar Dewantara. Eles usaram o slogan “Rompem da Holanda”. O partido não obteve o apoio dos indonésios nativos que esperava. No entanto, as autoridades viram isso como uma ameaça e proibiram a festa em 1913.


[8] Indische Social Democratische Vereniging. Fundada por Henk Sneevliet. O ISDV era uma organização marxista. Foi a base a partir da qual mais tarde se desenvolveu o PKI comunista.


[9] Em 1914, o Boedi Oetoemo (ver nota 4) lutou sem sucesso por um exército indonésio (a ação foi chamada de Indie weerbaar). O maior apoio para esta ação veio da TV (Movimento Teosófico). A TV entrou em conflito direto com socialistas como Sneevliet e Semaoen. Indie weerbaar foi o primeiro grande debate político que dividiu a Indonésia. Contribuiu de muitas maneiras para a polarização da esquerda e da direita dentro do Serakat Islam, e na Indonésia em geral, e contra a autoridade holandesa. Portanto, seu efeito foi exatamente o oposto das ideias dos fundadores sobre a harmonia entre as classes. Os primeiros artigos políticos que apareceram em jornais locais dos últimos líderes do PKI (que era o maior partido comunista não governamental do mundo) como Semaoen, Darsono e Alimin eram dirigidos contra membros da TV. Van Hindeloopen e Labberton foram as pessoas mais criticadas na imprensa de esquerda em 1916-1917.


[10] Grigori Zinoviev (Elizavetgrad, 11 de setembro de 1883 – Moscou, 25 de agosto de 1936) foi um político comunista soviético-russo e teórico marxista.


Ele foi um dos aliados mais leais de Lenin e trabalhou para ele na Suíça. Após a revolução de outubro, ele ocupou o cargo de secretário do partido. Durante a doença de Lenin (1922-1924) formou uma coalizão com Stalin e Kamenev. Embora fosse visto como o sucessor de Lenin, Stalin tornou-se o novo líder da União Soviética.


Em 1925, ele e Kamenev formaram uma coalizão com Trotsky contra Stalin. Eventualmente, ele pagou com sua vida por esta ação. Ele morreu por um pelotão de fuzilamento após um show em 1936.



Tradução de Gercyane Oliveira







79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page